​Coração (Maria Thereza Noronha)

Autor: Candido Portinari

Coração

​Morreu de faca no peito
quanto o coração só lhe falava
de amor.
A faca se abriu em chaga
vermelha e meio com jeito
de flor.

Morreu de febre no leito
quando o coração já lhe falhava
no peito.
Deixou órfãos e viúva.
Partiu num dia de chuva
sem palavras.

Morreu de foice no eito
enquanto o coração lhe sussurrava:
— que proveito?
Deu por perdida a batalha:
a sua, não o que restava
a ser feito.

Morreu de fome e direito
negado, quando o coração
só lhe dizia CHEGA! E o esqueleto
já se entrevia antes de enterrado.
Morreu de omissão:
assassinado.

Morreu de fúria e despeito
quando o coração se lhe inchava no peito.
E a epígrafe se destacava:
"Não será de ninguém
o que é meu.
De direito!"

(Maria Thereza Noronha)

Leia também ...


Pensamentos que reúnem um tema de Adalgisa Nery.

Tu Queres Sono: Despe-te dos Ruídos de Ana Cristina Cesar

​Motivo​ de Cecília Meireles 

Mascarados de Cora Coralina

Licença Poética de Adélia Prado

Desafio Mulheres na Academia Brasileira

Nenhum comentário :

Postar um comentário