Pular para o conteúdo principal

Lygia Fagundes Telles - o desafio continua

Lygia Fagundes Telles morreu no domingo em sua casa em São Paulo, aos 98 anos. Lygia foi a terceira mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Em 1985, tornou-se imortal da Academia Brasileira de Letras e, em 2005, recebeu, pelo conjunto de suas obras, a consagração máxima para um autor da Língua Portuguesa, o Prêmio Camões. Eu sou uma jogadora. Meu pai era um jogador. Ele jogava com as fichas, eu jogo com as palavras. Eu acho que nós temos de arriscar, o tempo todo, até a morte. Então, arrisco e acho válido. É uma forma de transpor o círculo de giz, a fronteira. Isto, para o escritor, é sempre uma esperança. — Lygia Fagundes Telles [1] Lygia Fagundes Telles em capa da Revista "Cadernos de Literatura Brasileira" Manifesto dos Intelectuais - 1977 Durante a ditadura militar, Lygia Fagundes Telles, junto a outros colegas, liderou a elaboração de um abaixo-assinado de mais de mil signatários contra a censura. Trata

5 Séculos de Sonetos Portugueses

Terminei finalmente o desafio Mulheres na Academia Brasileira de Letras (ABL), relembrem aqui o Desafio. Numa breve retrospectiva, ao todo, 288 intelectuais já foram consagrados como imortais da ABL, desses apenas 8 são mulheres. A primeira foi Rachel de Queiroz em 1977, seguida por Dinah Silveira de Queiroz em 1980, a terceira foi Lygia Fagundes Telles em 1985, Nélida Piñon em 1989, Zélia Gattai em 2001, Ana Maria Machado em 2003, Cleonice Berardinelli, em 2009 e por fim, Rosiska Darcy, em 2013.

O livro escolhido para cumprir a última etapa do desafio foi Cinco Séculos de Sonetos Portugueses da escritora Cleonice Berardinelli (102 anos!!). A obra reúne a antologia de poemas e coletânea de ensaios escritos ao longo de décadas. Nas palavras da escritora portuguesa Sophia Andresen, uma das mais importantes poetisas portuguesas do século XX, Cleonice pode ser descrita com alguém

que procura tornar mais clara a cidade dos homens

Sophia Andresen faz parte da lista de poetas selecionados para o livro Cinco Séculos de Sonetos Portugueses. Cleonice descreve neste como teve a oportunidade de conhecer pessoalmente a escritora em 1966, período em que Cleonice lecionava na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Cleonice Berardinelli.
Imagem: oglobo.

Para conhecer um pouco mais a escritora assista ao documentário O vento lá fora dirigido por Marcio Debellian. O documentário apresenta um retrato do poeta Fernando Pessoa a partir da leitura de poemas criado pela professora Cleonice Berardinelli e pela cantora Maria Bethânia. Confira o Trailer do Filme a seguir:

Espero que tenham gostado do desafio. Pretendo continuar a conhecer outras obras das autoras imortalizadas pela ABL e também de muitas outras escritoras brilhantes que não foram escolhidas, o que certamente não ocorreu por falta de mérito.

Referências

  1. Perfil da Academica na ABL
    https://www.academia.org.br/academicos/cleonice-berardinelli
  2. Desafio Mulheres na ABL
    https://www.literatura-brasileira.com/2015/05/desafio-mulheres-na-academia-brasileira.html
  3. Cleonice Berardinelli: os sonetos portugueses por sua maior estudiosa
    https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/cleonice-berardinelli-os-sonetos-portugueses-por-sua-maior-estudiosa-501609.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se Eu Fosse Eu (Clarice Lispector)

A Crônica “ Se Eu Fosse Eu ” de Clarice Lispector foi publicada em 30 de novembro de 1968 pelo Jornal do Brasil. Esta e outras cronicas podem ser encontradas no livro A descoberta do Mundo , que reúne as crônicas que ela escreveu para o Jornal do Brasil no período de 1967 a 1973. SE EU FOSSE EU “Quando não sei onde guardei um papel importante e a procura se revela inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase “se eu fosse eu”, que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar. Diria melhor, sentir. E não me sinto bem. Experimente: se você fosse você, como seria e o que faria? Logo de início se sente um constrangimento: a mentira em que nos acomodamos acabou de ser levemente locomovida do lugar onde se acomodara. No entanto já li biografias de pessoas que de repente passavam a ser elas mesmas, e mudavam inteiramente de vida. Acho que se e

MAR PORTUGUÊS (Fernando Pessoa)

Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Pintura a óleo de Carlos Alberto Santos Poema extraído de Mensagem de Fernando Pessoa. Disponível para download em Domínio Público . Leia outros poemas de Fernando Pessoa Todas as Cartas de Amor são Ridículas Agora que sinto amor Sou um guardador de rebanhos Liberdade

Erro de português (Oswald de Andrade)

O Descobrimento do Brasil por Cândido Portinari Erro de português Quando o português chegou Debaixo duma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português — Oswald de Andrade