Pular para o conteúdo principal

Lygia Fagundes Telles - o desafio continua

Lygia Fagundes Telles morreu no domingo em sua casa em São Paulo, aos 98 anos. Lygia foi a terceira mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Em 1985, tornou-se imortal da Academia Brasileira de Letras e, em 2005, recebeu, pelo conjunto de suas obras, a consagração máxima para um autor da Língua Portuguesa, o Prêmio Camões. Eu sou uma jogadora. Meu pai era um jogador. Ele jogava com as fichas, eu jogo com as palavras. Eu acho que nós temos de arriscar, o tempo todo, até a morte. Então, arrisco e acho válido. É uma forma de transpor o círculo de giz, a fronteira. Isto, para o escritor, é sempre uma esperança. — Lygia Fagundes Telles [1] Lygia Fagundes Telles em capa da Revista "Cadernos de Literatura Brasileira" Manifesto dos Intelectuais - 1977 Durante a ditadura militar, Lygia Fagundes Telles, junto a outros colegas, liderou a elaboração de um abaixo-assinado de mais de mil signatários contra a censura. Trata

Yoga

Yoga vem de uma palavra em sânscrito (yuj) que significa unir. A essência do Yoga busca a união do indivíduo (ser) ao Ser (seu potencial pleno de autorrealização, que pode ter muitos nomes conforme religião e filosofia).

Existem diversas escolas de Yoga no mundo. A primeira pessoa a escrever sobre práticas ióguicas foi Patanjali, entre 200 a.C. e 400 d.C..

O Yoga está muito associado à imagem de posturas físicas complexas (chamadas asanas). Mas, na verdade, os asanas foram desenvolvidos porque os monges ficavam muito tempo meditando e precisavam alongar o corpo. Assim eles alongavam o corpo para se concentrar por mais horas de meditação. De certa forma, eles trouxeram a meditação para o corpo, por meio do desenvolvimento das posturas.


Yoga cura doenças? Yoga emagrece? Yoga é só para relaxar?

O Yoga tem várias frentes. E envolve vários aspectos da vida de um indivíduo. O professor Hermógenes, grande mestre de Yoga brasileiro, divide-as em cinco:

1. Frente Filosófica: envolve o estudo de textos filosóficos de alta qualidade (tradicionais ou não) e a prática do que é ensinado nesses estudos. Todos os sistemas filosóficos que concorrem para ordenar as ideias, desenvolver a lógica e estabelecer disciplina nas ações constituem formas de psicoterapia de real valor;

2. Frente Psíquica: um tratamento psíquico é aquele que visa a tornar sã a mente. O yoguin (praticante de Yoga) aprende a purificar, aquietar e iluminar sua mente, libertando-se das enfermidades da personalidade: ignorância (avidya), egoísmo (asmita), aversão (dvesha), concupiscência (raga) e medo de morrer (abhinavesha). O praticante realmente pode se curar de doenças como depressão, ansiedade, entre outras, com a ajuda da prática regular de Yoga;

3. Frente Fisioterapêutica: a mente influencia o corpo e o corpo influencia a mente. O Yoga trabalha o corpo e, com isso, altera e ativa o funcionamento de glândulas e hormônios. Esse não é objetivo exclusivo da prática, mas Yoga pode, sim, emagrecer, caso a obesidade se deva a distúrbios hormonais e psicológicos e a prática seja voltada para regularizar essas questões. Existem vários tipos de práticas para diferentes tipos de pessoas. O Yoga pode não ser relaxante. Ao contrário, pode ser ativo e fortificante se estiver voltado para pessoas que precisam desse tipo de energia, como, por exemplo, pessoas depressivas;

4. Frente Moral: Yoga tem um código moral profundo e libertador. O praticante não é obrigado a segui-lo por nenhum tipo de coação ou recompensa. Conforme a regularidade da prática de da compreensão filosófica, o yoguin adota seus princípios morais porque entende claramente que esse é o caminho de menor sofrimento;

5. Frente dietética: Yoga tem uma dieta sofisticada, que prioriza alimentos naturais, adequados a cada indivíduo e balanceada. A dieta vegetariana é incentivada. Mas ela é vista como um processo natural que o indivíduo pode (ou não) adotar, conforme sua evolução na prática.

Encerro este artigo com uma citação do livro Yoga para Nervosos – Aprenda a Administrar o seus Estresse do professor Hermógenes.

O mundo que nos rodeia só é realidade na medida em que nos identificamos com ele, pois nos impõe dor ou prazer, pesar ou alegria, confiança ou medo... Desde que conheçamos o que é realmente o mundo, começaremos a sentir a equanimidade do espectador de mentalidade evoluída, sem sofrer nem gozar, sem tentar fugir ou buscar, sem medo, sem ódio e sem tédio.

Busque o local de prática mais próximo de você! Experimente! Seja ousado (a)! Yoga é ideal para homens e mulheres. Se não encontrar nenhum local, busque conhecer mais, por meio de leituras como o professor Hermógenes, e pratique sozinho (a).



Texto de Isotília Melo  do Blog 500 Livros.


Confira outros textos da autora ...

Jovens Polacas

Mulheres na ABL

Hilda Hilst - Ode Descontinua e remota​ para Flauta e Eboé

Parte I: Visconde de Taunay um escritor feminista!

ParteII: Visconde de Taunay um escritor feminista!

Parte III: Visconde de Taunay, um escritor feminista!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se Eu Fosse Eu (Clarice Lispector)

A Crônica “ Se Eu Fosse Eu ” de Clarice Lispector foi publicada em 30 de novembro de 1968 pelo Jornal do Brasil. Esta e outras cronicas podem ser encontradas no livro A descoberta do Mundo , que reúne as crônicas que ela escreveu para o Jornal do Brasil no período de 1967 a 1973. SE EU FOSSE EU “Quando não sei onde guardei um papel importante e a procura se revela inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase “se eu fosse eu”, que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar. Diria melhor, sentir. E não me sinto bem. Experimente: se você fosse você, como seria e o que faria? Logo de início se sente um constrangimento: a mentira em que nos acomodamos acabou de ser levemente locomovida do lugar onde se acomodara. No entanto já li biografias de pessoas que de repente passavam a ser elas mesmas, e mudavam inteiramente de vida. Acho que se e

MAR PORTUGUÊS (Fernando Pessoa)

Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Pintura a óleo de Carlos Alberto Santos Poema extraído de Mensagem de Fernando Pessoa. Disponível para download em Domínio Público . Leia outros poemas de Fernando Pessoa Todas as Cartas de Amor são Ridículas Agora que sinto amor Sou um guardador de rebanhos Liberdade

Erro de português (Oswald de Andrade)

O Descobrimento do Brasil por Cândido Portinari Erro de português Quando o português chegou Debaixo duma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português — Oswald de Andrade