Suave Mari Magno (Machado de Assis)


Baleia in Nelson Pereira dos Santos’ Vidas Secas (1963).

Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.

Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.

Poema extraído de Ocidentais de Machado de Assis, obra disponível para download em Domínio Público(Ocidentais).



Veja também outros poemas de Machado de Assis ...


Soneto

Vai-te

A Carolina

ERRO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se Eu Fosse Eu (Clarice Lispector)

“— Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Ateneu.”