Pular para o conteúdo principal

Parte IV: Visconde de Taunay, um escritor feminista!

Também se destacam as seguintes obras de Taunay: Ouro Sobre Azul (1875), Manuscritos de uma Mulher (1873), O Encilhamento: Cenas contemporâneas da Bolsa do Rio de Janeiro em 1890,1891 e 1892 (1893).

 Ouro sobre Azul é um romance ambientado no Rio de Janeiro e dirigido ao grande público. A expressão “Mas isso é ouro sobre azul” significa “mas isso é excelente, ótimo, melhor impossível”. Descobri lendo o livro, depois ouvi um colega português usando-a no meu trabalho. Imagino que fosse uma expressão comum na época. O interessante é que uma das personagens principais é uma viúva independente (a única forma de uma mulher ser independente na época!) e ela se dá muito bem em toda história. Subentende-se uma admiração do autor pela figura da mulher independente.

Eu me orgulho de ter a primeira edição do livro Manuscritos de uma Mulher. Ainda não li, pretendo ler este ano e postar no blog. Mas os primeiros dois parágrafos do livro já dizem muito:

Hoje estou casada e irremediavelmente infeliz escrevo estas páginas. Cerro os olhos ao futuro e volvo-os para o passado a fim de me esquecer do presente.”
 “Para mim não pode haver mais alegrias, esperanças, nem sonhos. Uma só palavra resume a minha imensa desgraça – casada – casada com um ente que por acaso encontrei e com quem a sina me ligou; casada e não com o homem para quem Deus me havia destinado.

O Encilhamento, também está na meta de leitura para 2015. Visconde de Taunay foi um investidor na Bolsa do Rio de Janeiro e ele vivenciou a maior crise financeira de sua época, a chamada Crise do Encilhamento.

O termo encilhamento vem do hipismo e remete ao ato de arrear os cavalo antes da corrida, alusão ao comportamento histérico dos investidores durante a explosão da bolha financeira.

 A Crise do Encilhamento possivelmente contribuiu para a queda da Monarquia no Brasil. Ou seja, ela foi um golpe duplo para o Visconde de Taunay, que além das perdas financeiras, se afastou da política para sempre por ser um monarquista convicto.

Para quem deseja saber mais sobre o autor, recomenda-se o livro O Visconde de Taunay e os fios da Memória da professora da UNESP Maria Lídia L. Maretti. E sigam as postagens do blog 500livros! 


Autor: Isotilia Melo do blog 500 LIVROS


Este é o segundo de um projeto de quatro posts para tratar um pouco das  principais obras de Visconde de Taunay. O Primeiro  post foi postado no Blog 500 Livros. Confira as postagens anteriore em 

Parte I: Visconde de Taunay um escritor feminista!


ParteII: Visconde de Taunay um escritor feminista!


Parte III: Visconde de Taunay, um escritor feminista!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Erro de português (Oswald de Andrade)

Quando o português chegou Debaixo duma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português "O Descobrimento do Brasil" Cândido Portinari

“— Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Ateneu.”

O Ateneu é o romance mais conhecido do escritor Raul Pompeia (1863-1895). É uma prosa poética, contada em primeira pessoa pelo personagem Sérgio, sobre sua a traumática formação dentro de um internato privado no Rio de Janeiro (o Ateneu).A sociedade da época reprimia afetividade e ternura dos homens (não tão distante dos dias atuais) de forma que as relações entre homens e mulheres e mesmo as relações entre homens era bastante prejudicada. Se de algum modo o homem vivenciar ternura por outro homem, o mesmo será então tachado de homossexual, ''mariquinhas''. O que, na época, era uma grande desonra pública. Em o Ateneu, Sérgio descreve o amigo Egbert com bastante afetividade, de uma maneira fraternal. Como ilustrado no seguinte trecho do livro: Egbert merecia-me ternuras de irmão mais velho. Tinha o rosto irregular, parecia-me formoso. De origem inglesa, tinha os cabelos castanhos entremeados de louro, uma alteração exótica na pronúncia, olhos azuis de estrias cinze

Se Morre de Amor (Gonçalves Dias)

"Tarde chuvosa" Leonid Afremov Se se morre de amor! — Não, não se morre,  Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e flores Assomos de prazer nos raiam n'alma, Que embelezada e solta em tal ambiente No que ouve, e no que vê prazer alcança!