Pular para o conteúdo principal

Parte II: Visconde de Taunay, um escritor feminista!

 Uma das capas do romance que teve mais de 60 edições até nossos dias.
 Uma das capas do romance que teve mais de 60 edições até nossos dias.

Inocência, principal obra de Visconde de Taunay, é um romance que se passa no interior do Mato Grosso do Sul, possivelmente onde hoje existe uma cidade homônima.

O protagonista é o jovem Cirino, que se passa por farmacêutico (ele tem um livro de farmacologia para basear suas receitas!) e sai pelo sertão tratando todo tipo de doentes. Até que ele chega à fazenda de Pereira, um velho sertanejo, que só tem uma filha, chamada Inocência.

Seguindo a tradição, que é duramente criticada por Taunay, Inocência não sabe ler, nem escrever. Ela fica o dia todo trancada dentro de um cômodo, para ficar isolada de qualquer contato com homens estranhos até seu noivo prometido, Manecão, volte. 

No começo Pereira desconfia de que Cirino possa se interessar por Inocência. Mas logo em seguida aparecem um cientista alemão, Meyer, e seu ajudante para se hospedarem na fazenda de Pereira. O velho fica enlouquecido de medo de que o estrangeiro possa querer algo com sua filha Inocência. Pereira pede ajuda de Cirino para vigiar Meyer. A aproximação entre Cirino e Inocência aumenta e nasce o romance proibido.

O livro balança magistralmente entre o cômico, levando o leitor às gargalhadas, e o trágico. Ambos os estilos criticam os costumes patriarcais da época.


Quem desejar ler a obra gratuitamente basta clicar no link para o Domínio Público.


Autor: Isotília Melo do Blog 500 Livros


Este é o segundo de um projeto de quatro posts para tratar um pouco das  principais obras de Visconde de Taunay. O Primeiro  post foi postado no Blog 500 Livros. Confira o primeiro post em ParteI: Visconde de Taunay, um escritor feminista!

Veja também a continuação ParteIII: Visconde de Taunay um escritor feminista!

Postagens mais visitadas deste blog

Se Eu Fosse Eu (Clarice Lispector)

A Crônica “ Se Eu Fosse Eu ” de Clarice Lispector foi publicada em 30 de novembro de 1968 pelo Jornal do Brasil. Esta e outras cronicas podem ser encontradas no livro A descoberta do Mundo , que reúne as crônicas que ela escreveu para o Jornal do Brasil no período de 1967 a 1973. SE EU FOSSE EU “Quando não sei onde guardei um papel importante e a procura se revela inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase “se eu fosse eu”, que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar. Diria melhor, sentir. E não me sinto bem. Experimente: se você fosse você, como seria e o que faria? Logo de início se sente um constrangimento: a mentira em que nos acomodamos acabou de ser levemente locomovida do lugar onde se acomodara. No entanto já li biografias de pessoas que de repente passavam a ser elas mesmas, e mudavam inteiramente de vida. Acho que se e

Erro de português (Oswald de Andrade)

O Descobrimento do Brasil por Cândido Portinari Erro de português Quando o português chegou Debaixo duma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português — Oswald de Andrade

MAR PORTUGUÊS (Fernando Pessoa)

Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Pintura a óleo de Carlos Alberto Santos Poema extraído de Mensagem de Fernando Pessoa. Disponível para download em Domínio Público . Leia outros poemas de Fernando Pessoa Todas as Cartas de Amor são Ridículas Agora que sinto amor Sou um guardador de rebanhos Liberdade