Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013

Agora que sinto amor

Agora que sinto amor Tenho interesse nos perfumes. Nunca antes me interessou que uma flor tivesse cheiro. Agora sinto o perfume das flores como se visse uma coisa nova. Sei bem que elas cheiravam, como sei que existia. São coisas que se sabem por fora. Mas agora sei com a respiração da parte de trás da cabeça. Hoje as flores sabem-me bem num paladar que se cheira. Hoje às vezes acordo e cheiro antes de ver. Poema de Fernando Pessoa extraído de O Pastor Amoroso disponível em Domínio Público . Spring Flowers Leia outros poemas de Fernando Pessoa Poema em linha reta Tão cedo passa tudo quanto passa! Agora que sinto amor Sou um guardador de rebanhos

Anjo (Castro Alves)

"AI! QUE VALE a vingança, pobre amigo, Se na vingança a honra não se lava?... O sangue é rubro, a virgindade é branca — O sangue aumenta da vergonha a bava. "Se nós fomos somente desgraçados, Para que miseráveis nos fazermos? Deportados da terra assim perdemos De além da campa as regiões sem termos... "Ai! não manches no crime a tua vida, Meu irmão, meu amigo, meu esposo!... Seria negro o amor de uma perdida Nos braços a sorrir de um criminoso!..." Castro Alves Poema extraído da obra A Cachoeira de Paulo Afonso de Castro Alves. Disponível em domínio publico ( A cachoeira de Paulo Afonso )

Ainda que mal (Drummond)

Drummond Ainda que mal pergunte, ainda que mal respondas; ainda que mal te entenda, ainda que mal repitas; ainda que mal insista, ainda que mal desculpes; ainda que mal me exprima, ainda que mal me julgues; ainda que mal me mostre, ainda que mal me vejas; ainda que mal te encare, ainda que mal te furtes; ainda que mal te siga, ainda que mal te voltes; ainda que mal te ame, ainda que mal o saibas; ainda que mal te agarre, ainda que mal te mates; ainda assim te pergunto e me queimando em teu seio, me salvo e me dano: amor. Veja também outros poemas de Drummond ... ​Consolo na praia ​Certas palavras ​O seu santo nome Congresso internacional do medo ​

QUADRILHA (Carlos Drummond de Andrade)

João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. Quadrilha Veja também outros poemas de Drummond ... Procura da poesia Sentimento do mundo Resíduo ​ Congresso internacional do medo ​ O ano passado ​

CANÇÃO DO TAMOIO (Antonio Gonçalves Dias)

I Não chores, meu filho; Não chores, que a vida É luta renhida: Viver é lutar. A vida é combate, Que os fracos abate, Que os fortes, os bravos Só pode exaltar.

SOFRIMENTO (Gonçalves Dias)

Gonçalves Dias Meu Deus, Senhor meu Deus, o que há no mundo Que não seja sofrer? O homem nasce, e vive um só instante, E sofre até morrer! A flor ao menos, nesse breve espaço Do seu doce viver, Encanta os ares com celeste aroma, Querida até morrer. É breve o romper d'alva, mas ao menos Traz consigo prazer; E o homem nasce e vive um só instante: E sofre até morrer!