Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2012

POEMA DE SETE FACES (Carlos Drummond de Andrade)

Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada.

Romance XIX ou dos maus presságios (Cecília Meireles)

Zezé Motta em filme Xica da Silva Acabou-se aquele tempo do Contratador Fernandes. Onde estais, Chica da Silva, cravejada de brilhantes? Não tinha Santa Ifigênia, pedras tão bem lapidadas, por lapidários de Flandres... Sobre o tempo vem mais tempo, Mandam sempre os que são grandes: e é grandeza de ministros roubar hoje como dantes. Vão-se as minas nos navios... Pela terra despojada, ficam lágrimas e sangue. Ai, quem se opusera ao tempo, se houvesse força bastante para impedir a desgraça que aumenta de instante a instante! Tristes donzelas sem dote choram noivos impossíveis, em sonhos fora do alcance. Mas é direção do tempo... E a vida, em severos lances, empobrece a quem trabalha e enriquece os arrogantes fidalgos e flibusteiros que reinam mais que a Rainha por estas minas distantes! Veja também outros poemas de Cecília Meireles ... Retrato E o meu caminho começa ... ​Romance VII ou do negro das Catas ​Romance XXX ou do riso dos tropeiros ​

Segunda impaciencia do poeta (Gregório de Matos)

Cresce o desejo, falta o sofrimento, Sofrendo morro, morro desejando, Por uma, e outra parte estou penando Sem poder dar alívio a meu tormento. Se quero declarar meu pensamento, Está-me um gesto grave acobardando, E tenho por melhor morrer calando, Que fiar-me de um néscio atrevimento.

Verdade (Carlos Drummond de Andrade)

A porta da verdade estava aberta, mas só deixava passar meia pessoa de cada vez. Assim não era possível atingir toda a verdade, porque a meia pessoa que entrava só trazia o perfil de meia verdade. E sua segunda metade voltava igualmente com meio perfil. E os meios perfis não coincidiam. Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta. Chegaram ao lugar luminoso onde a verdade esplendia seus fogos. Era dividida em metades diferentes uma da outra. Chegou-se a discutir qual a metade mais bela. Nenhuma das duas era totalmente bela. E carecia optar. Cada um optou conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caieiro)

  Sou um guardador de rebanhos. O rebanho é os meus pensamentos E os meus pensamentos são todos sensações. Penso com os olhos e com os ouvidos E com as mãos e os pés E com o nariz e a boca. Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la E comer um fruto é saber-lhe o sentido. Por isso quando num dia de calor Me sinto triste de gozá-lo tanto. E me deito ao comprido na erva, E fecho os olhos quentes, Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz. Alberto Caieiro, heterônimo de Fernando Pessoa em O guardado de rebalhos. Leia outros poemas de Fernando Pessoa Poema em linha reta Tão cedo passa tudo quanto passa! Agora que sinto amor Mar Português Todas as Cartas de Amor são Ridículas

Aceitarás o amor como eu o encaro ?... (Mário de Andrade)

Aceitarás o amor como eu o encaro ?... ...Azul bem leve, um nimbo, suavemente Guarda-te a imagem, como um anteparo Contra estes móveis de banal presente. Tudo o que há de melhor e de mais raro Vive em teu corpo nu de adolescente, A perna assim jogada e o braço, o claro Olhar preso no meu, perdidamente. Não exijas mais nada. Não desejo Também mais nada, só te olhar, enquanto A realidade é simples, e isto apenas. Que grandeza... a evasão total do pejo Que nasce das imperfeições. O encanto Que nasce das adorações serenas. Fonte:  lusofoniapoetica Mário Raul de Morais de Andrade, Mário de Andrade (SP-9-10-1893 - 25-02-1945), foi escritor, poeta, crítico de arte, musicólogo e ensaísta  Foi uma das figuras mais importantes para o modernismo brasileiro, junto com Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral, Anita Malfatti e outros, com participação fundamental na Semana de Arte Moderna de 1922 . É o autor de Macunaíma e Paulicéia Desvairada .

HINO À DOR (Augusto dos Anjos)

Dor, saúde dos seres que se fanam, Riqueza da alma, psíquico tesouro, Alegria das glândulas do choro De onde todas as lágrimas emanam... És suprema! Os meus átomos se ufanam De pertencer-te, oh! Dor, ancoradouro Dos desgraçados, sol do cérebro, ouro De que as próprias desgraças se engalanam! Sou teu amante! Ardo em teu corpo abstrato. Com os corpúsculos mágicos do tato Prendo a orquestra de chamas que executas... E, assim, sem convulsão que me alvorece, Minha maior ventura é estar de posse De tuas claridades absolutas! Poema extraído de 'Eu e Outras Poesias', de Augusto dos Anjos. Obra completa disponível para download em Domínio Público (Eu e outras Poesias) . Leia também ... SONETO O morcego Versos Íntimos Psicologia de um vencido