17 de mar de 2016

Com licença poética (Adélia Prado)

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.


https://outrospassos.milharal.org/2014/08/25/amar-sem-jejum-de-sentimento/
Adélia Prado


Leia também ...

​Motivo​ de Cecília Meireles

Mascarados de Cora Coralina

Fanatismo de Florbela Espanca

Pensamentos que reúnem um tema de Adalgisa Nery.

7 de mar de 2016

Drumundana (Alice Ruiz)

e agora maria?

o amor acabou
a filha casou
o filho mudou
teu homem foi pra vida
que tudo cria
a fantasia
que você sonhou
apagou
à luz do dia

e agora maria?
vai com as outras
vai viver
com a hipocondria


Paródia do poema “José”, de Carlos Drummond de Andrade.