Poema (Mario Quintana)

Oh! aquele menininho que dizia
“Fessora, eu posso ir lá fora?”
Mas apenas ficava um momento
Bebendo o vento azul...
Agora não preciso pedir licença a ninguém.
Mesmo porque não existe paisagem lá fora:
Somente cimento.
O vento não mais me fareja a face como um cão
[amigo...
Mas o azul irreversível persiste em meus olhos.



Mais poemas de Mário Quintana ..

O poeta

A viagem

O descobridor

O silêncio


Nenhum comentário :

Postar um comentário