Dualismo (Olavo Bilac)

Olavo Bilac

Não és bom, nem és mau: és triste e humano...
Vives ansiando, em maldições e preces,
Como se, a arder, no coração tivesses
O tumulto e o clamor de um largo oceano.

Pobre, no bem como no mal, padeces;
E, rolando num vórtice vesano,
Oscilas entre a crença e o desengano,
Entre esperanças e desinteresses.

Capaz de horrores e de ações sublimes,
Não ficas das virtudes satisfeito,
Nem te arrependes, infeliz, dos crimes:

E, no perpétuo ideal que te devora,
Residem juntamente no teu peito
Um demônio que ruge e um deus que chora.



Poema extraído do livro Tarde de Olavo Bilac disponível para download em Domínio Público (Tarde).


Outros poemas de Olavo Bilac ...

Ora (direis) ouvir estrelas!


​Cantinela


Vita nuova


​Velhas arvores

​Última Página