A viagem (Mario Quintana)

Quando passei o Cabo das Tormentas
As sereias seguiram-me... E o seu canto
Nunca fora, meu Deus, tão aliciante...
Até acreditei, num breve instante,
Que por algum milagre a nau transviada
Viesse acaso sonâmbula voltando
Às praias luminosas da alvorada...
Mas, ai de mim, esses enganos são
Pesadelos de luz! Antes o escuro, o sossegado
Sono... Mas uma voz: — Que dizes, nosso amor?
Ainda que nos escutes a teu lado,
Nós cantamos sempre no Futuro!

Ramon Bruin
Poema extraído de Preparativos de viagem de Mario Quintana.


Leia outros poemas de Mário Quintana ..

Bilhete

O descobridor

Poema

O silêncio

Nenhum comentário :

Postar um comentário