30 de ago de 2013

O silêncio (Mario Quintana)

Há um grande silêncio que está sempre à escuta...
E a gente se põe a dizer inquietamente qualquer coisa,
qualquer coisa, seja o que for,
desde a corriqueira dúvida sobre se chove ou não chove hoje
até a tua dúvida metafísica, Hamleto!
E, por todo o sempre, enquanto a gente fala, fala, fala
o silêncio escuta...
e cala.


Trecho do livro Esconderijos do tempo de Mario Quintana.

Fonte: Mesquita

Leia outros poemas de Mário Quintana ..

Poema

A viagem

Se eu fosse um padre

O poeta