Pica-Flor

Se Pica-Flor me chamais,

Pica-Flor aceito ser,

Mas resta agora saber,

Se no nome que me dais,

Meteia a flor que guardais

No passarinho melhor!

Se me dais este favor,

Sendo só de mim o Pica,

E o mais vosso, claro fica,

Que fico então Pica-Flor.




Pica-Flor é um poema de Gregório de Matos Guerra em resposta a uma freira, satirizando-a por ter lhe atribuído o nome de 'Pica-flor', em razão de sua aparência, que lembra o pássaro.